Cinco passos de uma caminhada

Cinco passos de uma caminhada

Um amigo fez a algum tempo atrás o caminho de Santiago de Compostela na Espanha. Voltou com ótima impressão do que viu, das pessoas que encontrou pelo caminho, do acolhimento nas paradas, da fé dos caminhantes, e tem agora muitas lembranças para contar aos amigos.  Trouxe também cinco símbolos da caminhada, que valem não só para o caminho de Santiago, mas também para a caminhada de 2020, que estamos começando, e para a caminhada permanente que é a vida. O primeiro símbolo é a SETA, ou seja, um rumo, a direção onde queremos chegar. Qualquer iniciativa, qualquer empreendimento que se execute, precisa ter um destino bem claro. Saber o que se quer, onde se quer chegar, o que se quer alcançar. Neste ponto, nós os cristãos, estamos tranquilos. Sabemos o que queremos, temos um endereço, somos seguidores de Jesus. O segundo símbolo é um KIT DE PRIMEIROS SOCORROS. Quem percorre um longo caminho vai precisar de um curativo. Algum ferimento, alguma queda ou escoriação são inevitáveis. São as nossas fragilidades, as nossas falhas, fruto da natureza humana, nada que um curativo ou um gesto de arrependimento não possa curar. Fique claro, na vida o cristão não está livre de cometer erros maiores, mas o normal deveria ser falhas menores, resultado mais da fraqueza do que da maldade.. O terceiro símbolo é a MOCHILA. Para quem caminha, uma bagagem pesada é um complicador. Quem leva a vida de acordo com o Evangelho, não precisa de baú, container, ou de uma carreta, basta uma mochila. O mundo de hoje, nos convida ao consumismo e para carregar o que “precisamos” não basta uma mochila, ao contrário, o Evangelho nos convida a uma vida de sobriedade, simplicidade,  e a não precisar de muita coisa, a não colocar nossa segurança nos bens materiais, para isso, uma modesta mochila é o bastante.  O quarto símbolo é um BASTÃO, um cajado. Quem caminha precisa saber não só onde pisa, mas, sobretudo para onde vai, isto dá tranquilidade e segurança. Quem dá passos maiores ou mais rápidos do que pode, isto é, quem não reflete, não pensa, não planeja, corre o risco de ser vítima de um acidente, se perder pelo caminho ou chegar a lugar nenhum. Um cristão integrado numa comunidade, tem um ótimo bastão para se apoiar, são os irmãos que caminham com ele, que tem a mesma  fé, que percorrem o caminho mostrado por Jesus.

Finalmente o último símbolo é uma CONCHA de agua para reabastecer as forças. Parece pouco, mas é suficiente. Não precisa um carro pipa, pois Deus está caminhando conosco, temos um arsenal de recursos que a Igreja coloca a nossa disposição e que fortalecem nossa fé e recuperam as nossas forças. E tem mais, não estamos sós.  Temos a companhia de milhões de irmãos que trilham o mesmo caminho aberto por Jesus, caminho que nos leva para a casa do Pai.


Pe. Nivaldo Piazza

 
Indique a um amigo
 
 
Mais artigos