Lições que já nos é possível aprender

Vivemos a pandemia causada pelo coronavírus e viveremos, por um bom tempo ainda, as con-sequências disto já que o mundo virou de ponta-cabeça. Sem pretender explicar uma tal situa-ção, desejo apresentar algumas lições que já nos é possível aprender.

1. O grande número de pessoas que desempenham serviços essenciais ao funcionamento da sociedade. Falamos de quem se dedica ao atendimento à saúde, das pessoas que produ-zem, transportam e disponibilizam alimentos, de quem garante a segurança. Ao lado destas há tantas outras, mostrando como nossa vida depende do trabalho humilde e cotidiano de pes-soas que não conhecemos e, não raro, pouco valorizamos;

2. O valor do serviço público de saúde: mesmo se o SUS de que dispomos não é o ideal, todos experimentamos que os cuidados com a saúde não podem ser tratados como uma mer-cadoria. Assim, se é bom e justo aplaudir a dedicação dos profissionais de saúde, reconhe-cendo que são verdadeiros heróis, isto não basta. É preciso empenhar-se e exigir que eles re-cebam remuneração justa e não venham a faltar os recursos e equipamentos para atender a todas as pessoas;

3. A mobilização da sociedade no socorro a quem mais foi afetado: assistimos a uma infi-nidade de esforços e iniciativas individuais ou coletivas de solidariedade. Isto com certeza não consegue resolver todos os problemas, mas mostra que, se nos empenharmos verdadeira-mente, se em nosso coração e em nossas organizações vigorar mais a cooperação e menos a competição, será sim possível construir um mundo menos desigual no qual todos poderão vi-ver melhor;

4. A consciência de nossa limitação: gostamos de parecer grandes e poderosos, mas um vírus que não enxergamos nos recorda e escancara – ainda que de modo brutal – como somos fracos e limitados. Aceitar e assumir isto é sinal de maturidade, pois pode nos aproximar dos outros e nos fazer mais compreensivos com eles que também vivem na mesma condição. E, ainda mais, ao nos reconhecermos pequenos e necessitados, podemos mais facilmente nos abrir à fé e implorar o socorro de Deus, Ele o único que é Todo-poderoso.

Pe. João Masiero 

 
Indique a um amigo
 
 
Mais artigos