Olhar a vida com os olhos de Deus

Iniciamos o Tempo da Quaresma, e a Igreja, no Brasil, nos convida a vivermos este tempo de graça e conversão à luz da Palavra de Deus, com a Campanha da Fraternidade que, este ano, traz o tema: Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso, e o lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34); baseada na parábola do Bom Samaritano.
O objetivo geral da Campanha é conscientizar as pessoas e a sociedade em geral para que, à luz da Palavra de Deus, saibam respeitar e valorizar o sentido da vida, desde a concepção e durante toda a sua peregrinação neste mundo. A vida, Dom e Compromisso, perpassa as relações do mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum.
Porém, dificilmente teremos um olhar de compromisso com a vida, se vivermos centrados no nosso egoísmo, que nos leva à indiferença. Comprometer-se com a vida, no sentido bíblico, é manifestar compaixão pelos que estão feridos na sua dignidade humana e, muitas vezes, encontram-se caídos à margem da sociedade.
“A Campanha da Fraternidade deste ano nos convoca a refletir sobre o significado mais profundo da vida”, para que, tocados pela Palavra de Deus e iluminados pelo Espírito Santo, possamos “encontrar caminhos para que esse sentido seja fortalecido e, algumas vezes, até mesmo reencontrado”. Ela quer nos interpelar a respeito do sentido que estamos, na prática, atribuindo à vida nas suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica. Precisamos, à luz da Palavra de Deus e da caminhada quaresmal, vencer a “globalização da indiferença”, que não sente compaixão e nem consegue ver os que estão feridos e prostrados à beira do caminho. “Se já não somos mais capazes de perceber a desumana dor ao nosso lado, também nós nos tornamos desumanizados” (Papa Francisco). “Não se pode viver a vida passando ao largo das dores dos irmãos e irmãs”.
Podemos ser tentados a achar que já fizemos o suficiente, mas a força da Palavra de Deus, o amor-compaixão, nos impele sempre a darmos um passo a mais em direção aos necessitados, quando o coração se abre para o intercâmbio do cuidado e a criatividade se deixa conduzir pela fraternidade e pela solidariedade.
Não devemos nos acomodar ou passar a fazer parte do clube da indiferença porque vemos a força do pecado agindo no mundo. “A Quaresma é um tempo para reforçarmos em nós a fé no Ressuscitado. Jesus venceu a morte, Jesus derrotou o pecado. N’Ele, com Ele e por Ele, também nós o faremos, reconstruindo os laços, unindo os corações, as mentes e a sociedade” num compromisso pela vida (CF 2020).
Dom Frei José Gislon

 
Indique a um amigo
 
 
Mais artigos